Ir para o conteúdo principal
erros no supermercado
Voltar

Quatro erros no estoque do supermercado que estão te fazendo perder vendas

Erros no supermercado sempre acontecem. A diferença entre os líderes e quem fica para trás é a capacidade de prever, criar planos de conjuntura e lidar com imprevistos

O setor de supermercados é um dos mais competitivos do varejo brasileiro. Embora conte com 136 empresas entre as 300 maiores do varejo brasileiro, ele conta com uma infinidade de pequenas lojas (independentes ou de grandes redes) que investem em um modelo de vizinhança para entregar conveniência e conquistar a preferência do cliente a partir do relacionamento pessoal e cotidiano. Para lidar com a forte concorrência, as empresas têm investido em oferecer uma melhor experiência a seus consumidores, o que também fortalece a marca e gera novas oportunidades de venda.

Seja por meio de um atendimento personalizado ou a partir de ferramentas de inteligência promocional (e, com frequência, usando os dois recursos), as redes de supermercados têm sido capazes de trazer os clientes para as lojas. Nem sempre, porém, isso é suficiente. Muitas vezes, a execução operacional no varejo apresenta falhas que impedem que a venda seja fechada. Esse tipo de erro no supermercado se transforma em um desperdício de recursos, pois o cliente é atraído para o PDV, estimulado a comprar e, então, não encontra o produto desejado. É uma frustração que oferece uma experiência de compra ruim e pode fazer o cliente pensar duas vezes antes de reagir a uma promoção da loja.

No dia a dia dos supermercados, diversas falhas acontecem. Veja quais são esses principais erros no supermercado e o que fazer para evitá-los:

Ruptura no ponto de venda

O tema ruptura é bastante amplo, mas pode ser dividido em dois pontos principais. O primeiro erro no supermercado são as dificuldades operacionais nas lojas, que levam à falta de exposição de produtos que estão no estoque.

Quando o erro no supermercado são as gôndolas desabastecidas de itens que estão no estoque, a solução pode estar na tecnologia. Controlar um mix que pode chegar a 80 mil itens (no caso de hipermercados) é uma tarefa impossível manualmente e uma grande fonte de perdas. Para que as gôndolas estejam sempre abastecidas é essencial fazer uma gestão integrada e automatizada do PDV, com avisos em tempo real que considerem as vendas totais e as projeções de venda para o dia.

Na NRF Big Show 2019, realizada no início deste ano em Nova York, uma startup apresentou uma solução para detectar rupturas e entregar métricas de produtividade no piso de vendas. Aplicado em uma das 50 maiores varejistas do mundo, o sistema mediu em tempo real as rupturas e reduziu em 30% o número de horas de indisponibilidade dos produtos e em 41% o número de itens com ocorrências de ruptura durante o dia. Como resultado, as vendas na loja que participou do projeto-piloto aumentaram 8,2%, sem aumento da equipe alocada na reposição dos estoques.

O estoque virtual

Outro erro nos supermercados é o chamado estoque virtual, ou a diferença entre o número de produtos no sistema da loja e a quantidade física efetivamente disponível para venda. Essa diferença pode ser causada por diversos fatores, como quebras de produtos, furtos, itens vencidos não eliminados do sistema ou erros no registro dos produtos no checkout. Como consequência do estoque virtual, um determinado item aparece no sistema como disponível, embora não seja mais vendido, e o lojista deixa de repor esse item por acreditar que ele não tem saída. Na realidade, o consumidor está indo ao supermercado e não o encontra.

Tradicionalmente, o supermercado resolve essa diferença de tempos em tempos ao realizar inventários, mas acaba perdendo valores significativos enquanto essa checagem física não acontece. A organização do cadastro de produtos disponíveis no sistema do lojista diminui duplicidades e reduz o risco de que um item esteja registrado como outro item. Outra boa prática é o treinamento dos funcionários: no checkout, cada código de barras deve ser validado uma única vez (para evitar que um item seja registrado em dobro) e deve-se tomar cuidado especial com itens múltiplos (um erro comum no supermercado é o registro de vários itens iguais quando, na realidade, parte são produtos com um sabor diferente).

Falha no envio do pedido

Não basta eliminar os problemas de abastecimento do estoque para a gôndola ou reduzir o estoque virtual das lojas. Especialmente em uma operação de margens baixas e grande amplitude de mix, como é o caso dos supermercados, toda a cadeia de abastecimento deve estar interligada para acelerar o disparo dos pedidos.

Um erro nos supermercados é não identificar os produtos de acordo com sua importância no mix. A Curva ABC é uma técnica importante para priorizar os itens mais importantes para o seu negócio, já que é essencial estar sempre abastecido dos produtos que mais vendem ou que atraem os clientes à loja. A automação dos pedidos desses itens essenciais junto aos fornecedores ou distribuidores reduz a ruptura. Para itens de menor relevância, é possível criar rotinas de verificação periódica para que o produto esteja sempre disponível, mas nunca em quantidade excessiva.

Uma vez que esses processos estejam implementados, a falha no envio do pedido será um erro eliminado do supermercado.

Problemas na entrega

Em um país continental como o Brasil e com dificuldades logísticas, especialmente no interior e fora do Sul-Sudeste, é preciso lidar com atrasos. Quando itens são importados, ainda existe a questão alfandegária. Falhas logísticas podem fazer com que seu supermercado fique desabastecido em momentos importantes, como nos finais de semana. O uso de soluções tecnológicas que trabalhem com o conceito de On Shelf Availability (OSA) permite identificar as causas da falta dos produtos e tomar ações imediatas. Também é preciso estar atento aos contratos com os fornecedores: nos itens estratégicos e de alto giro, é importante contar com um Acordo de Nível de Serviço (SLA) que garanta a entrega em um determinado prazo e defina as responsabilidades do fornecedor no processo logístico.

Erros no supermercado sempre acontecem. A diferença entre os líderes e empresas que ficam para trás é a capacidade de prever, criar planos de conjuntura e lidar com os problemas imprevistos. Ao definir bem seus processos logísticos, investir em treinamento das pessoas e adotar tecnologias que automatizem a operação e eliminem falhas, o supermercado ganha consistência na execução operacional, aumenta suas vendas e conquista a preferência dos consumidores.

Compartilhe

Fale com a gente.

Agende uma conversa